Estudo Direcionado

Fé, foco e perseverança

Pesquise um post:

Carregando...

Destaques:

Reflexando

por Estudo Direcionado dia 25 julho 2014 às 22:02

Escrevo por que as palavras contorcem-se em mim, em um esforço ferrenho para se apresentarem. E não sei como elas virão, que color terão, que sentimentos meus nelas transparecerão. Pois vou tracejando a imperfeição do que sou, do que nunca serei, do que nunca fui.
E viver, acho, é mais ou menos como escrever: não sabemos que surpresas teremos, o que de nós deixaremos transparecer, quais sentimentos represaremos. E alguns dias são como um poema abortado: não dão o tom de sua alegoria.
A possibilidade é o que nos move, a novidade é o que nos encanta. A esperança é o que nos sustém. Se não isso, por que novos amanhãs? Ah, é preciso sonoridade e, ademais, suavidade. Mas como é difícil trilhar a linha tênue do que é sonho e realização, do viver e do almejar. Como é fácil transportar o hoje para o amanhã, esquecendo-nos do presente.
Como é fácil escolher caminhos que conduzem a encruzilhadas. Como é fácil perder-se por nadas: um meio-sorriso, um perfume numa tarde vagarosa, a suavidade de uma frase entonada por uma voz que nos prende a atenção ao acaso.
Sim, a função das palavras é a de apanhar encantamentos. E a de viver, encontrá-los pelo caminho. Pois há muito cinza por aí travestido de arco-íris. Mas, ah!, o poeta está sempre atento. Escutai-o, portanto.


Fábio.

A síndrome - cap. 05

por Estudo Direcionado dia 24 julho 2014 às 17:07

Cap. 05
O estopim da revolta

O Governo sempre destinara verbas astronômicas ao Comando de Guerra, que controlava todas as operações bélicas das Províncias e da Capital, sendo responsável, também, pelo treinamento do exército do S.T. As tensões recentes agravaram o quadro de crise, prenunciando o estopim para a revolta contra Nikói.
 Esse cenário possibilitou à insurgência que angariasse o apoio de algumas províncias, o que desestabilizou o Regime Socialista. Muitos líderes estavam insatisfeitos, pois o ditador Nikói ficava cada vez mais ganancioso e exigia taxas cada vez mais altas para as empresas atuarem em Arkangelia.
Além disso, na última reforma econômica,  instituíra novos impostos, o que encarecera o custo do transporte das mercadorias por terra, que, por sua vez, refletia na alta de preços dos alimentos e dos insumos mais básicos à população.
O burburinho da revolta veio num crescendo, sussurrado aos poucos, reverberando, depois, em praças públicas, como o famoso “Manifesto Ramx”, poucos meses após o “First Day”, idealizado por Grimcas e adotado como o manual da revolução. Em sua aparição pública, Grimcas atraiu uma audiência considerável de 20.000 pessoas à praça Verge, a maioria composta por operários insatisfeitos, como estavam todos, na verdade.
Mas, entre eles, figuravam alguns dos que, depois, se tornariam pedra de tropeço a Nikói, entre eles Arturo. Tão inflamado foi o manifesto que a turba, de início pacífica, começou a entoar gritos de guerra e, em minutos, a revolta se acendeu. Arturo foi um dos líderes, conduzindo o movimento ao seu clímax, com a depredação de monumentos, carros, vidraças de lojas e prédios de repartições públicas.
Marcel, à época, era um neófito na Euroflag, mas viu Arturo ser detido e acompanhou, durante meses seguidos, a tortura a que este fora submetido nos porões da polícia secreta. Pensava que ele não resistiria, mas ficou sabendo, após algum tempo, que Arturo não só não delatou ninguém, como suportou todos os tipos de tratamentos conferidos aos insurgentes presos, tendo a eles sobrevivido.


DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS. É PERMITIDA A CITAÇÃO DO TEXTO INTEGRAL COM REFERÊNCIA CLARA À FONTE.

Bibliografia

por Estudo Direcionado dia às 14:12

Estou reformulando a minha bibliografia em alguns pontos. Pois bem, tendo em conta que já li outras doutrinas e procuro novos autores, ficará assim:

• Constitucional - vou comprar o livro do Bernardo Gonçalves. A edição anterior continha muitos erros de português, mas parece que houve uma revisão geral. Depois informo.

• Administrativo - Diogo de Figueiredo Moreira. Este já estou lendo, a ed. 2014. Estou gostando bastante, é uma visão diferenciada de Administrativo.

• Proc. Civil - ainda fico com Daniel Assumpção. Em Recursos, Didier. CPC comentado do Marinoni para consulta.

• Penal - revisando pelo Masson, Parte Geral. Estudei a parte especial pelo CP comentado, não fez o meu estilo. Prefiro o Greco. Mas em especial ainda não sei qual doutrina adotar.
O Rogério Sanches, na parte geral, é um bom resumo, bem como na parte especial. Mas não recomendo para estudo. Queria ler o Zaffaroni, mas o tempo não permite.
Não gostei do livro do Paulo Queiroz, parte geral. Não recomendo para concursos.

• Processo Penal - ainda fico com o Avenna. Adotaria o do Renato Brasileiro, mas pelo volume, é inviável agora.

• Civil - gosto do Tartuce.Também o Carlos Roberto Gonçalves é excelente. Mas não sei, Civil, para mim, é uma disciplina problemática. Tem que conhecer muito a lei seca e a jurisprudência.

• Outras disciplinas: consumidor vou ler o livro do Tartuce. Improbidade Administrativa, do Daniel Assumpção. Se quiserem saber de outras, me perguntem. Depois eu posto aqui.

Por enquanto é isso.
Sds.

Estudo

por Estudo Direcionado dia às 13:55

Bom, depois de SC, retomando os estudos. Aguardando o resultado com as possíveis anulações, mas não dá para parar . Voltando às vídeo-aulas e doutrinas, mas com ênfase também na lei seca e jurisprudência.
O livro do Dizer o Direito está esgotado e não será mais vendido, segundo o próprio autor. Uma pena, pois considero o melhor material sobre o tema no mercado. Mas temos o site, que disponibiliza os infos de graça.
É isso, se passar em SC, simbora, se não, rumo a outro. Novos concursos em vista e mais tempo para estudo. 
Se o cronograma permitir irei prestar o próximo concurso da Magis MS. Também afinando para o MP MS. 
É isso... de volta à essência. Terei que me programar, mas já sei como fazer: levantar às 6 da manhã, tomar um café e estudar até as 8. Depois, das 8 às 11 da noite, alternando com a academia. E fim de semana, gás total. 
Simbora! Por que só desisto quando passar!
Sds.

Novas súmulas do STJ

por Estudo Direcionado dia às 10:01

O STJ aprovou três novos enunciados sumulares. Confira-os:


SÚMULA n. 511
É possível o reconhecimento do privilégio previsto no § 2º do art. 155 do CP nos casos de crime de furto qualificado, se estiverem presentes a primariedade do agente, o pequeno valor da coisa e a qualificadora for de ordem objetiva.

SÚMULA n. 512
A aplicação da causa de diminuição de pena prevista no art. 33, § 4º, da Lei n. 11.343/2006 não afasta a hediondez do crime de tráfico de drogas.

SÚMULA n. 513

abolitio criminis temporária prevista na Lei n. 10.826/2003 aplica-se ao crime de posse de arma de fogo de uso permitido com numeração, marca ou qualquer outro sinal de identificação raspado, suprimido ou adulterado, praticado somente até 23/10/2005.

Sobre valores

por Estudo Direcionado dia 23 julho 2014 às 09:27

Novamente toca-me falar sobre o assunto, por razões variadas. Sem querer integrar a patrulha moral, mas tenho visto, em minha cidade, tantas notícias de jovens, por volta dos 19 a 25 anos, perdendo a vida ou sofrendo sequelas gravíssimas devido a acidentes automobilísticos, após saírem de bares. Recentemente uma garota de 19 anos perdeu o braço em um acidente em que a amiga, embriagada, estava conduzindo o veículo. Há algum tempo um rapaz, por volta dessa idade, saindo às 6 horas da manhã da balada, em uma caminhonete, atropelou outro rapaz que estava em uma moto, parado no semáforo, indo trabalhar. A morte foi instantânea. E os culpados, em regra, não são apenados com severidade.
O que quero dizer é que temos que ter cuidado com nossas escolhas e hábitos, pois eles podem nos conduzir a situações sem volta. E a culpa pode ser tão grande que mesmo depois de muito tempo não teremos paz para conduzir as nossas vidas. Por certo que toda escolha envolve riscos, em maior ou menor grau e teremos que lidar com as consequências, por isso é preciso muita prudência e ponderação, além de alguma vivência, para acertar mais do que errar.
Não é por outra razão que preferimos, quase sempre, que alguém decida por nós ou nos diga o que fazer, pois dessa forma poderemos apontar o dedo no caso de algo dar errado. Temos o livre-arbítrio, mas, ah!, que peso é carregá-lo. Por que temos medo. De nós mesmos. Certa feita li uma frase que me fez refletir muito. Diz ela que "mais nos assusta a claridade que trazemos em nós do que a nossa escuridão". 
Talvez seja essa a razão de muitos quererem viver "no automático", com rotinas pré-estabelecidas, em que quase nada muda. Quando saem de férias, vão quase sempre para o mesmo lugar ou fazem sempre as mesmas coisas e, depois, retornam à vida quotidiana. Sem decisões, sem riscos, sem responsabilidades. Tudo encaixa-se em uma forma pré-moldada e a menor alteração pode causar grande desconforto.
Essa auto-limitação se espraia à vida profissional, familiar, cultural e em outros âmbitos. E podemos viver nossas pré-escolhas da maneira errada, como saindo todo final de semana para beber até sair carregado do bar. É um padrão que foi estabelecido: fim de semana significa diversão e não há diversão sem bebida.
E, depois, fica difícil revertê-lo, pois nos acostumamos a ele e desenvolvemos uma rotina que o sustenta. Quebrarmos os nossos próprios paradigmas é algo muito complicado, pois depende de nossa força de vontade, de nossa compreensão, de lidarmos com as frustrações dos que estão próximos a nós ao dizermos não e de adquirirmos novos hábitos (ou trocar os antigos). Mas isso deve ser feito, em nosso próprio benefício, para que não venhamos a nos arrepender depois.


DIREITO AUTORAIS RESERVADOS. É PERMITIDA A CITAÇÃO COM REFERÊNCIA À FONTE.

Prueba...

por Estudo Direcionado dia 21 julho 2014 às 17:51

Pois é, fui conferir as questões de Criminologia, pois estava preocupado. Bem, rodei... na última hora modifiquei a alternativa da única questão que estava certa. Como zerei as cinco questões, estou eliminado.
É isso... se não houver anulação, estou fora, apesar de ter feito uma boa prova. Boa sorte aos que seguem!
Sds.

Bom, parece que há duas questões passíveis de recurso... agora é aguardar...

Prova

por Estudo Direcionado dia 20 julho 2014 às 18:09

Bem, foi umas das provas mais extensas que fiz. No geral, bem elaborada, mas muita letra de lei. Constitucional foi quase toda a CF, mas cobrando temas atípicos, como previdência, saúde e outros. 
Nunca tinha demorado tanto para fazer uma prova. Enfim, seja feita a vontade de Deus.
Floripa é uma bela cidade, com uma orla muito gostosa, sem mencionar as praias próximas. É isso...